Quem Somos
  Nossa Opinião
  Cursos e Visitas
  Turismo Educacional
  Turismo Religioso
  Jornal Assiraj
  Loja Virtual
  Sermões de Sexta-Feira
 Baixe Revistas Grátis
  O Islã em Arquivos
  Livros Virtuais
  Baixe Livros Grátis
  Trabalhos Acadêmicos
 
  Islamismo
  Leia o Alcorão Sagrado
  Princípios Religiosos
  Práticas Religiosas
  Perguntas e Respostas
  Calendário Islâmico
  Aulas de Religião
  Horários das Orações
 
 
A PALESTINA NÃO É AQUI, NEM FICA EM ISRAEL
por: Salem Nasser
QUANDO SURGIU O TERRORISMO
por: José Farhat
 
  Jurisprudência
  A profecia e os profetas
  O Profeta Muhammad
  Os Imames
  Dia da Ressurreição
  Assuntos Sociais
  A Economia no Islã
  Espaço da Mulher
  Sites Recomendados
  Jesus no Alcorão
 
  Tour Virtual
  Vídeos
  Recitação do Alcorão
  Papéis de Parede
  Proteções de Tela
  Recitação de Súplicas
 
 

cadastre-se para receber
os Informativos.


Email:

 
 

 

 

 

 


A PALESTINA NÃO É AQUI, NEM FICA EM ISRAEL

Por Salem Nasser*
 
É sábio calar sobre o que não se conhece. Mas há poucos sábios em circulação.
 
De modo geral, tenho apreciado muito os textos de Gregorio Duvivier na Folha, normalmente inteligentes e positivamente provocadores.
 
Mas vejo agora que Duvivier padece de uma cegueira muito específica que acomete inclusive muita gente inteligente. Ele não consegue enxergar a tragédia palestina pelo que ela de fato é. E mais, usando desta vez (A Palestina é aqui, de 13/03) um discurso sério, no tom dos justos e dos sensatos, se deixa arregimentar, talvez sem saber, para a defesa das causas de Israel.
 
Ele não está sozinho na cegueira e na defesa do indefensável. Para ficarmos apenas com eventos recentes: nos Estados Unidos, durante os Golden Globe e o Oscar, a classe artística dos EUA (composta inclusive por imigrantes) esmerou-se na crítica aos absurdos da nova administração de Trump, apontou cada injustiça anunciada, fazendo prova de sua sensatez e de sua correção política; mas será difícil encontrar entre toda essa boa gente alguém que denuncie a ocupação e o apartheid israelenses.
 
Duvivier cerca a sua defesa de Israel (que talvez não saiba que está fazendo) com o que constituiria o objeto real de seu artigo: a denúncia da violência, da decadência, da exclusão pela qual ele vive cercado no Rio, e nós todos no resto do Brasil. O seu titulo se pretende retórico e manda o seguinte recado: preocupemo-nos com a tragédia em que estamos inseridos.
 
É interessante, no entanto – ou não é?! – que para descrever a tragédia tenha usado o nome da Palestina; ele não disse “Israel é aqui”.
 
Ele conta que foi a Israel e à Palestina a convite da Universidade Hebraica de Jerusalém. Será que ele não percebeu que isto só é possível porque Israel ocupa a Palestina? Ou ele imagina que poderia ser convidado para visitar a Palestina e Israel pela Universidade de Al Quds?
 
Ele nos derrama o discurso padrão de condenar os fundamentalistas dos dois lados – passando pela obrigatória menção negativa ao Netanyahu, uma espécie de credencial do bom senso. Mas não consegue lembrar que é descabida a equiparação entre o ocupante e o ocupado, entre o opressor e o oprimido.
 
Faz, sem confessá-lo, uma defesa de si mesmo diante das críticas que recebeu por ter feito essa visita. E o faz condenando o movimento de boicote a Israel que, segundo ele, prejudica os árabes israelenses, os negros israelenses e os drusos, ou seja, os excluídos, aqueles para quem o Estado Judeu não se pensa como sendo o lar natural. A inocência do argumento é chocante. E, não fosse por outra coisa, faltou pensar nos palestinos, ou não?
 
Mas o pecado maior de Duvivier nesse texto é outro. Ele afirma saber algo que outros ignoram ou fingem ignorar sobre os palestinos: que são raros entre eles os que apóiam o boicote e – pasmem os que pensavam saber algo sobre a Palestina! – mais raros ainda os que apóiam o Hamas.
 
Meu rapaz, de onde você tira suas estatísticas? Ou melhor, com quem será que andou conversando nessa viagem que lhe revelou tanto?
 
O fechamento do texto deve nos revelar a nós, seus leitores, muito mais: Israel é comparado à nossa polícia e o Hamas ao narcotráfico. Isto, junto com a ilustração do texto (uma muçulmana de burca) é material para longas discussões sobre comunicação subliminar.
 
Enfim, mais do que mera cegueira, Duvivier se permitiu um apagamento da própria inteligência. Não tendo tido a sabedoria de calar sobre o que não conhecia, fez pior, colocou sua voz a serviço de uma injustiça.
 
E quando ele nos falar de novo, com agudeza e inteligência, sobre outras injustiças, sua voz terá perdido força porque, afinal, o que pode nos contar um homem que esteve no coração da injustiça e da ocupação e não as viu.
 
*Salem Nasser é professor de Direito da FGV e ex-presidente do ICArabe.
 
Artigo publicado originalmente no site da Revista Brasileiros.

 

 

| voltar



 

 

 
Jumada Athani de 1438





Acesse a versão Real Paper do Jornal Assiráj
Clique Aqui












 

 

 

inicial | artigos | notícias | contato


2007 Todos os Direitos Reservados - ibeipr.com.br ®
Desenvolvido por Fatcho