Quem Somos
  Nossa Opinião
  Cursos e Visitas
  Turismo Educacional
  Turismo Religioso
  Jornal Assiraj
  Loja Virtual
  Sermões de Sexta-Feira
 Baixe Revistas Grátis
  O Islã em Arquivos
  Livros Virtuais
  Baixe Livros Grátis
  Trabalhos Acadêmicos
 
  Islamismo
  Leia o Alcorão Sagrado
  Princípios Religiosos
  Práticas Religiosas
  Perguntas e Respostas
  Calendário Islâmico
  Aulas de Religião
  Horários das Orações
 
 
A PALESTINA NÃO É AQUI, NEM FICA EM ISRAEL
por: Salem Nasser
QUANDO SURGIU O TERRORISMO
por: José Farhat
 
  Jurisprudência
  A profecia e os profetas
  O Profeta Muhammad
  Os Imames
  Dia da Ressurreição
  Assuntos Sociais
  A Economia no Islã
  Espaço da Mulher
  Sites Recomendados
  Jesus no Alcorão
 
  Tour Virtual
  Vídeos
  Recitação do Alcorão
  Papéis de Parede
  Proteções de Tela
  Recitação de Súplicas
 
 

cadastre-se para receber
os Informativos.


Email:

 
 

 

 

 

 


04/10 - POR QUE O IMAM HUSSEIN (a.s.) FEZ SUA REVOLUÇÃO?

Segunda Seção: Por que o Imam Al-Hussein (A.S.) levantou-se e fez sua Revolução contra o governante injusto da sua época?


Antes de responder a esta pergunta, devemos dizer, como citamos nos capítulos iniciais, que o Imam Al-Hussein (A.S.), como uma pessoa responsável e consciente de suas obrigações como líder e de seu papel religioso nesta vida, levantou-se contra o governante hipócrita e injusto que se chamava Yazid, filho de Muawiyah.  Este governante tirou todo o pudor de sua existência, tornando-se um criminoso, alcoólatra, assassino, corrupto, nepotista, discriminador e invasor. Este governante quis transformar a Sociedade Islâmica em uma selva, na qual o mais poderoso (material e fisicamente) dominaria o mais modesto e humilde. Por sua conduta dissoluta, ele disseminou as desgraças da humilhação, pobreza, corrupção e libertinagem na Sociedade Islâmica da época. Para atingir estes objetivos, não só praticou como apoiou todos os atos que atentassem contra os valores islâmicos. Por isso, o Imam Al-Hussein (A.S.) levantou-se e enfrentou este homem, que carregava dentro de sua alma todos os tipos de malefícios e qualidades inferiores.     

Os objetivos principais do movimento do Imam Al-Hussein (A.S.) em Karbalá, onde ele foi sacrificado com seus familiares e companheiros, podem ser resumidos nestes três pontos: 

A – Proteger a Religião Islâmica dos desvios implantados e praticados pela família omíada, especialmente por Yazid; 

B – Salvaguardar os mais elevados valores da Sociedade Islâmica;

C – Impedir as atitudes maléficas e a corrupção que foram estabelecidos na Sociedade Islâmica pelos governantes omíadas.

Recapitulando, lembremos que o movimento do Imam Al-Hussein (A.S.) começou na cidade de Al-Medina. De lá, ele dirigiu-se à cidade Sagrada de Meca e depois, a Karbalá, no Iraque. Antes de sair de Al-Medina, ele pronunciou um discurso chamando ao povo muçulmano:
 
“Óh, Muçulmanos! Vós não observais que a verdade está desprestigiada? E que a falsidade está ativa e crescendo dentro da Sociedade Islâmica? Cada crente dentre vós deve desejar encontrar seu Senhor . Eu considero a morte pela defesa destes valores uma alegria e uma felicidade. Eu considero a vida com os injustos e corruptos só e apenas uma angústia e um pesar enorme”.

Por estes motivos, o Imam Al-Hussein (A.S.) levantou-se e comandou a Revolução contra a força injusta da família omíada, especialmente contra o exército do governante corrupto Yazid, formado por cerca de 30.000 homens bem armados. Por seu lado, o exército do Imam Hussein (A.S.) era um grupo muito humilde, não passando de cem soldados fiéis. A finalidade do Imam Al-Hussein (A.S.) foi proteger a religião e estabelecer a observação da oração, promovendo o Islã como religião ativa e viva dentro de todas as comunidades islâmicas. Por isso, o Imam Al-Hussein (A.S.) sacrificou tudo o que possuía para que, no tempo atual, ou seja, em pleno Século XXI, pudéssemos nos manter como muçulmanos dignos e honrados, seguidores de uma religião pura.

Estes são os motivos pelos quais nós somos fiéis e sinceros em relação a este Santo Imam (A.S.) e a toda a sua luta e sacrifício a favor dos valores humanos. Por isso, todos os anos, revivemos a sua lembrança e a sua recordação. A nossa confiança não nos permite esquecer este Santo Imam (A.S.) e seu movimento revolucionário contra os corruptos da Nação Islâmica. Nós confirmamos perante ele, todos os anos, que nunca esqueceremos sua mensagem e nunca abandonaremos seu caminho. Estamos contigo, Óh, Hussein!, enfrentando toda a injustiça e procurando impedir todas as corrupções e a maldade no mundo!

A triste mensagem desta seção

O Imam Al-Hussein (A.S.), antes de sair da cidade de Al-Medina, entrou no santuário de seu avô, o profeta Mohammad (A.S.), saudou-o e despediu-se. Depois, foi ao túmulo de sua mãe (A.S.) e também se despediu. Logo depois, foi ao túmulo de seu irmão, Al-Hassan (A.S.), e se despediu. 

A caravana do Imam Al-Hussein (A.S.), que o acompanhava em sua trajetória ao Iraque, era grande, organizada e bem protegida. Como será que ela retornou à cidade de Al-Medina, quando acabou o massacre de Karbalá, onde foram martirizados todos os companheiros do Imam Al-Hussein (A.S.) e os seus familiares do sexo masculino (A.S.)?  

As mulheres desta caravana - aquelas que ficaram vivas - vestiam roupa preta. Entre elas só existia um homem doente, o Imam Assajad (A.S.), filho do Imam Al-Hussein (A.S.), o quarto Imam da linhagem profética. Ele não havia conseguido participar da luta por causa da saúde debilitada.

Quando esta caravana da tristeza e da angústia voltava da sua viagem da humilhação, por terem sido feitos reféns e prisioneiros, à cidade de Al-Medina e passava pelo túmulo do Profeta (A.S.), a senhora Zainab, irmã de Al-Hussein (A.S.) exclamou:

“Óh, a cidade de nosso avô não nos aceita! Nós voltamos para cá com tristezas e pesares. Quando daqui saímos, estávamos unidos a nossos senhores. E agora, quando voltamos, voltamos sem senhores, nem filhos.”
 

Um conto para reflexão


No nono dia de Ashura, o governante de Al-Kufa, filho de Ziyad, ordenou o comandante de seu exército, Omar Ibn Sa’ad, a invadir o acampamento do Imam Al-Hussein (A.S.), em Karbalá. O Imam Al-Hussein (A.S.) foi informado dos intentos de Obaidullah. Então, mandou dizer-lhes para que não iniciassem o ataque naquela noite, acrescentando: 

“Eu quero aproveitar esta noite para rezar a nosso Senhor, Deus Altíssimo, pedindo o Seu perdão, porque Ele, O Altíssimo, sabe que eu adoro a oração e a recitação do Sagrado Alcorão. Ele sabe que eu gosto de suplicar e invocar a Ele, pedindo seu perdão”. 

Os inimigos do Imam Al-Hussein (A.S.) aceitaram sua petição e, nesta noite, o Imam (A.S.) juntou-se aos seus companheiros, discursando para eles o seguinte:

“Eu nunca soube da existência de companheiros e familiares mais sinceros e mais benevolentes que os meus. Deus Altíssimo vos recompensará com Sua bondade. Óh, meus irmãos! Estes inimigos não estão procurando ninguém além de minha pessoa. Eles desejam apenas a minha morte. Dou a permissão para vós irdes embora... Esta noite cobrirá com sua escuridão a vossa presença. Portanto, aproveitei esta escuridão e ide por este deserto de volta para vossos lares. E vos salvei deste destino ameaçador, que cabe apenas a mim enfrentar”.
 
Os familiares do Imam Al-Hussein (A.S.) responderam: 

“Acaso, faremos isso para permanecermos vivos depois de ti? Nunca! Deus não nos permitirá viver depois de teu martírio.”

E os companheiros falaram: 

“Juro por Deus, Óh, Hussein! Nunca nos afastaremos de ti, até que quebremos nossas lanças nos peitos dos inimigos e os abatamos com nossas espadas... Se não tivermos mais armas conosco, usaremos pedras contra nossos inimigos, até darmos nossas vidas por tua causa!” 

Neste momento, o Imam Al-Hussein (A.S.) sentiu-se confortado pela sinceridade de seus companheiros e familiares. Ele os agradeceu muito. Em seguida, colocaram-se todos a orar e suplicar a Deus Altíssimo. 

 

 

| voltar



 

 

 
Shaaban de 1438





Acesse a versão Real Paper do Jornal Assiráj
Clique Aqui












 

 

 

inicial | artigos | notícias | contato


2007 Todos os Direitos Reservados - ibeipr.com.br ®
Desenvolvido por Fatcho