Quem Somos
  Nossa Opinião
  Cursos e Visitas
  Turismo Educacional
  Turismo Religioso
  Jornal Assiraj
  Loja Virtual
  Sermões de Sexta-Feira
 Baixe Revistas Grátis
  O Islã em Arquivos
  Livros Virtuais
  Baixe Livros Grátis
  Trabalhos Acadêmicos
 
  Islamismo
  Leia o Alcorão Sagrado
  Princípios Religiosos
  Práticas Religiosas
  Perguntas e Respostas
  Calendário Islâmico
  Aulas de Religião
  Horários das Orações
 
 
SOBRE A VISITA DO AIATOLÁ MOHSEN ARAKI AO BRASIL
por: Marcelo Buzetto
A PALESTINA NÃO É AQUI, NEM FICA EM ISRAEL
por: Salem Nasser
 
  Jurisprudência
  A profecia e os profetas
  O Profeta Muhammad
  Os Imames
  Dia da Ressurreição
  Assuntos Sociais
  A Economia no Islã
  Espaço da Mulher
  Sites Recomendados
  Jesus no Alcorão
 
  Tour Virtual
  Vídeos
  Recitação do Alcorão
  Papéis de Parede
  Proteções de Tela
  Recitação de Súplicas
 
 

cadastre-se para receber
os Informativos.


Email:

 
 

 

 

 

 


22/11 - ISRAEL QUER PROIBIR CHAMADO À ORAÇÃO ISLÂMICO

Um projeto de lei em Israel quer proibir o uso de alto-falantes no início da manhã e tarde da noite. A medida abafar o conhecido canto do muezim, que, a partir da madrugada, anuncia em voz alta o momento das cinco preces muçulmanas diárias.

"A chamada para a oração muçulmana ("adhan", em árabe) existe há 1.400 anos", afirma Mufid Chaouana, irritado com um projeto. Tal como está, a proposta pretende proibir os auto-falantes das 23h às 6h.

Oficialmente, o texto se aplica a todas as religiões. Mas na realidade, ninguém contesta que silenciará sobretudo os amplificadores das mesquitas: aquelas da minoria árabe que representa 17,5% da população de Israel, que é majoritariamente muçulmana; e aquelas dos centenas de milhares de palestinos de Jerusalém Oriental.

Para os palestinos que vivem sob a ocupação israelense em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia vizinha, como para os árabes israelenses que se dizem tratados como cidadãos de segunda classe em Israel, o projeto é uma violação adicional dos seus direitos ou mesmo um ato racista.

No mundo 

Tocando a questão sensível que é a religião, o projeto tem provocado fortes protestos entre os muçulmanos, constantemente preocupados com as intervenções israelenses, principalmente na Esplanada das Mesquitas (ou al-Aqsa), o terceiro local mais sagrado do Islã, também reverenciado pelos judeus como Monte do Templo.

O texto recebeu luz verde em novembro de uma comissão do governo. Ele foi bloqueado no último minuto antes da sua apresentação ao Parlamento, paradoxalmente, por iniciativa de um ministro judeu ultra-ortodoxo. Ele ficou assustado com a possibilidade que a lei se volte contra os judeus e o uso da sirene para convidar os judeus para o shabbat, o descanso semanal.

O destino do texto é incerto. Reduzir o volume das chamadas para a oração muçulmana não é uma ideia nova em Israel.

Desta vez, o projeto alcançou, pelo menos temporariamente, um comitê ministerial e tem o apoio do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Judaizando a Cidade Santa 

Palestinos e árabes israelenses protestaram. A Liga Árabe denunciou uma "provocação muito perigosa". Um parlamentar árabe-israelense lançou simbolicamente a chamada para a oração da tribuna do Parlamento, o que provocou a ira de seus colegas.

Najih Qiraat, um clérigo, fez um sermão inflamado contra os planos israelenses em uma mesquita no bairro palestino de Beit Safafa, em Jerusalém Oriental. "A ocupação israelense quer judaizar a Cidade Santa. Ela não quer ouvir oração em árabe ou ver igreja" cristã em Jerusalém, disse depois de seu sermão.

Beit Safafa faz fronteira com o bairro Pat, localizado em Jerusalém Ocidental, parte israelense da cidade.

Mas, com mais de 400 mesquitas em Israel e em Jerusalém Oriental, de acordo com números oficiais israelenses, a lei seria difícil de aplicar.

Os deputados árabes israelenses disseram que receberam a promessa de que as igrejas iriam lançar o chamado à oração caso as mesquitas fossem impedidas.

FONTE: AFP

 

 

| voltar



 

 

 
Zul Qa'adah de 1438





Acesse a versão Real Paper do Jornal Assiráj
Clique Aqui












 

 

 

inicial | artigos | notícias | contato


2007 Todos os Direitos Reservados - ibeipr.com.br ®
Desenvolvido por Fatcho